logoblog

O aumento no uso de adoçantes: quem os consome e por quê?

O uso de adoçantes aumentou na última década.

Dados do IBGE revelaram que o consumo desse produto passou de 0,1% para 9,2% das casas brasileiras entre 2009 e 2018, conforme mostrou a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF).

O adoçante está na rotina dos diabéticos e das pessoas que preferem apenas reduzir o consumo do açúcar na sua alimentação e há também, quem prefira usar adoçantes para emagrecer.

Mas afinal o que são os adoçantes?

Os adoçantes são substâncias naturais ou sintéticas capazes de conferir o sabor doce nas preparações e possuem pouco ou nenhum valor calórico, sendo usados para substituir o açúcar.

Existe uma grande variedade no mercado. Confira os prós e os contras dos mais consumidos hoje:

  • Estévia

É um adoçante natural não calórico proveniente da planta Stevia rebaudiana e seu poder de dulçor pode chegar a 400 vezes mais do que o açúcar comum.

Essa planta tem ação ligeiramente hipoglicemiante, hipotensora e diurética. Possui Ingestão Diária Aceitável (IDA) de 4 mg/kg peso/dia (Joint FAO/WHO, 2016).

  • Xilitol

É um adoçante natural, porém calórico (2,4 calorias por grama).

Ele pode ser extraído de algumas frutas ou vegetais e da fibra de cogumelos.

A sua capacidade edulcorante é muito parecida com o da sacarose (açúcar) e pode ser substituído na mesma proporção em receitas.

Seu uso em excesso pode causar gases, diarreia e disbiose, e não possui quantidade especificada, segundo a IDA.

  • Eritritol

Este tipo é um adoçante natural e bem pouco calórico (0,2 calorias por grama).

Ele é encontrado em algumas frutas, porém é extraído da fermentação da sacarose pela indústria.

Suas características lembram muito o xilitol, mas o seu dulçor é um pouco menor e não causa desconforto intestinal. Não possui quantidade especificada, segundo a IDA.

  • Taumatina

Este adoçante não calórico é extraído de uma fruta africana chamada Katemphe e, além disso, é 1600 mais edulcorante do que o açúcar.

Não possui quantidade especificada, segundo a IDA.

  • Sucralose

O Sucralose é um adoçante sintético e não calórico, produzido artificialmente a partir da cana-de-açúcar.

Ele adoça 600 vezes mais do que o açúcar.

Um dos seus efeitos é causar disbiose intestinal. Possui Ingestão Diária Aceitável (IDA) de 15 mg/kg peso/dia.

  • Açúcar de maçã (sweetapple)

É natural e calórico (16 calorias por colher de sopa) e feito de maçã desidratada em pó, com dulçor máximo de 0,8 a 1,8 a mais do que a sacarose.

Como é composto de frutose, não deve utilizado por diabéticos.

Qual devo escolher?

O uso do adoçante deve ser feito com cautela e sempre com o acompanhamento por um nutricionista para saber qual a melhor opção e se realmente existe essa necessidade de consumo.

Esse acompanhamento é necessário principalmente porque estudos recentes da Organização Mundial da Saúde apontam que o consumo dessas substâncias não é eficiente para emagrecer e muitas pessoas passam a consumir adoçantes justamente com esse objetivo.

Por isso, tenha uma alimentação equilibrada e pratique atividades físicas regulares para conquistar o tão sonhado shape!

Dra. Aline Menezes

Dra. Aline Menezes
Instagram: @amenezesnutri
Graduada em Nutrição pela UFRJ.
Pós-graduação em Nutrição Esportiva pela UGF.
Pós-graduação em Fitoterapia aplicada à Nutrição pela Nutrinew.
Curso de extensão universitária em Doenças Crônica Não Transmissíveis Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta