Aprenda a montar uma marmita saudável em casa

Você sabia que, quando leva marmita de casa para o trabalho, acaba economizando e conseguindo comer de uma forma muito mais saudável?

Pensa bem, quando vai a um restaurante, você acaba vendo algumas guloseimas (batata frita, pastel, sobremesa, etc) e sentindo o cheiro… como se controla?

Aí um dia belisca uma batata frita, no outro dia come alguma sobremesa, no outro dia chega com muita fome e come em maior quantidade… e, a cada dia, acaba se excedendo tanto na qualidade da dieta quanto nas calorias.

Por isso nós, nutricionistas, sempre indicamos sair de casa com sua a bolsa térmica com as refeições, principalmente o almoço.

“Ah, Liliam, mas eu não tenho tempo. Saio cedo de casa e volto muito tarde, ainda tenho minhas tarefas caseiras, filhos…”

Realmente, se sua rotina é muito agitada, existem as opções de marmitas congeladas, práticas e saudáveis, como é o caso da Congelados da Sônia, com muitas opções fit para variar os sabores e continuar mantendo seus hábitos saudáveis.

Lembre-se de não ficar repetindo por muitos dias o mesmo prato para não entrar em monotonia alimentar e acabar abandonando o seu tratamento nutricional.

Além disso, hoje em dia também temos muitas opções fáceis de preparar em casa.

Os ingredientes necessários para montar sua marmita fit são:

  • 1 proteína (carne ou frango ou peixe ou ovo) +
  • 1 carboidrato (arroz ou batata ou aipim ou inhame ou milho) +
  • 1 leguminosa (feijão, grão de bico, lentilha, ervilha) +
  • Legumes/verduras.

Nos casos de não ter geladeira para guardar a sua marmita, você pode optar por uma salada no pote, pois consegue preparar tudo em um dia do fim de semana para levar durante a sua semana de trabalho ou de estudo.

Porém, é preciso seguir uma ordem na montagem dos ingredientes para que essa salada dure alguns dias na geladeira da sua casa.

Comece sempre colocando o molho caseiro no fundo do pote (ou coloque em um recipiente separado) pois, se misturar, irá murchar as folhas.

Depois, coloque por cima a proteína (carne, frango, peixe ou ovo) por cima do molho. E daí vem as leguminosas (feijões) e os legumes mais pesados (como brócolis, couve-flor, abóbora, etc.). Acrescente os ingredientes leves por cima desses, como as folhas.

E, no fim de tudo, coloque os grãos e sementes (semente de abóbora, castanha picada, etc.). Depois é só fechar.

Para os intervalos do dia, leve também lanches como:

  • Frutas frescas;
  • Frutas secas (damasco, uva passa, ameixa seca, banana passa);
  • Coco desidratado;
  • Barra de frutas (dê preferência às opções orgânicas).

Se ficar muitas horas seguidas sem se alimentar, você pode acabar ficando com fome e descontando nas refeições seguintes, então mantenha o equilíbrio e se organize para o número de horas que ficará na rua.

Se nos organizamos para tantas outras coisas no nosso dia, por que não nos organizamos também com nossa alimentação diária, já que é o nosso “combustível”?

O ideal é sempre conversar com sua nutricionista para saber as melhores opções para o seu caso, dentro da sua individualidade. Mas uma forma de começar a melhorar sua alimentação é levando de casa o que é preciso para passar o dia na rua.

 

Liliam Teixeira Francisco

Liliam Teixeira Francisco
NUTRICIONISTA – CRN 2001100044-3
Consultórios: MÉIER e BARRA
Central de atendimento: (21) 3593-3579/97918-3373

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta